Wednesday, January 26, 2005

Não é um só, mas tantos...

1 comments
Para inaugurar, algumas informações musicais dos últimos dias. Ontem, por um grande acaso, tive a felicidade de ver no SESC Ipiranga a banda Savana, que fez uma apresentação em função do aniversário de São Paulo. Vale ressaltar que não só ela, mas diversas outras também fizeram apresentações nesse SESC ao longo do dia. Eu entrei no auditório no meio da belíssima "Sinfonia Paulistana", que é tocada parcialmente todas as manhãs na rádio Jovem Pan, e de lá só saí depois de bater palmas de pé para essa banda. Não foi por admiração ingênua ou exagerada, mas a banda foi fenomenal tocando um jazz que, com umas batidas de samba juntamente, eram colocadas como MPB no programa. Até música africana com arranjo de Moacir Santos foi tocada (quem não se lembra do "Samba da Benção" do Vinicí­us de Morais, que menciona "Moacir Santos que não é um só, mas tantos, tantos como o meu Brasil de todos os santos"). Também tivemos o prazer de ouvir um solo de um integrante da Orquestra Jazz Sinfônica de SP. Que venham mais chuvas como a que me levou para o SESC nesse dia 25.

Ainda na minha admiração musical, dois fatos marcaram esse final de semana. Primeiro foi o grande "Concerto para Violino", de Tchaikosvky. Dando chance aos CDs que eu já possuia, escolhi esse compositor para ouvir. O seu primeiro movimento, em particular, é emocionante, logo não deixe de ouvir esse concerto caso tenha a oportunidade e tente acompanhar o tema, a cadência, a distribuição de instrumentos na orquestra que, se observados de perto, mostram ainda mais a genialidade de uma obra dessas.

Além disso, o outro fato foi ter ouvido o programa "OSESP ao Vivo", na rádio Cultura FM (sábados às 16h30), com o maestro John Neschling. A sua introdução, por exemplo, do poema sinfônico "Pelleas und Melisande" de Schoenberg (foi escrito sobre o texto do poeta belga Maeterlinck), foi muito interessante. Neschling demonstra um conhecimento cultural (não só musical) bastante profundo, o que nos dá admiração. Como sou leigo no assunto, o programa veio muito a calhar. Interessantíssimo, não percam (inclusive dá para se ouvir pela internet para quem está distante de São Paulo).

E a minha última dica é para os cinéfilos. Não deixem de assistir ao filme chileno "Machuca" (link IMBD), que aqui em São Paulo está sendo exibido no Espaço Unibanco de Cinema. Ele exibe o encontro entre duas realidades de vida no meio da transição entre duas realidades de governo no Chile (Allende e Pinochet), mostra como esse choque é importante para o amadurecimento das pessoas e como algumas coisas nunca mudam.